© 2019 Projeto Você Importa

Emergência

Se você chegou até aqui, é porque precisa de algum tipo de ajuda, e nós faremos todo o possível para que você consiga.

Tenha calma.

Você não está sozinho (a). 

Estou preocupado (a) com alguém

As pessoas sob risco de suicídio costumam falar sobre morte e suicídio mais do que o comum, confessam se sentir sem esperanças, culpadas, com falta de ligação com a vida e têm visão negativa do presente e do futuro. Essas ideias podem estar expressas de forma escrita, verbal ou por meio de desenhos; pode ter havido uma mudança drástica de comportamento na escola ou no trabalho, queda de energia pessoal e de socialização, isolamento voluntário, aumento no consumido de álcool e demais alteradores de consciência, atitudes imprudentes, etc.

A prevenção do suicídio depende muito da nossa capacidade de logo reconhecer as pessoas que podem estar em risco. Não é algo fácil, mas é possível.

 

Além disso, falar sobre suicídio não causará o suicídio, portanto não tenha medo de tocar no assunto, caso perceba que alguém que você ama/conhece demonstra sinais de alerta.

 

O mais importante é ser um ouvinte respeitoso, atento e se importar com o outro. Mantenha a calma. Não minimize os sentimentos expressos pela pessoa, não despreze os medos e evite debater com raiva. 

Tenho pensamentos suicidas

Antes de qualquer outra coisa, queremos te dizer que você não está só. A sensação pode ser a de estar invisível, ser insignificante ou de não ter nenhuma importância para ninguém no mundo, mas a realidade não é essa.

Você é único, e não há outro você andando por aí. Não se compare a ninguém.

Pensamentos suicidas geralmente estão relacionados com transtornos da mente que, quando não tratados, geram grande angústia e embotamento. Depressão, transtornos de ansiedade, bipolaridade, pânico, entre outros transtornos, roubam o prazer de viver, e debilitam tanto a mente que pensamentos suicidas surgem de repente.

 

É hora de respirar fundo, acalmar o coração e a mente para entender que tais transtornos são tratáveis.  

 

Em momento de grande sofrimento, as doenças te levam a acreditar que não há solução, que não há saída, e que nada nunca vai melhorar ou mudar, mas ainda há muita vida para ser vivida e compartilhada com que te ama. Crises podem ser melhores administradas com  carinho e apoio de familiares, amigos e de profissionais especializados.

 

A primeira atitude agora é entrar em contato com alguém de sua confiança para que você possa ter a ajuda que precisa, seja para conversar e desabafar, ou ir à emergência hospitalar. O mais importante é você.

Sinais de Alerta